O Peso da Depressão no Idoso: Causas, Efeitos e Tratamento

O desenvolvimento humano passa por inúmeras fases. Começamos por descobrir o mundo, aprender a conhecê-lo e a nós próprios. Redescobrimos, numa fase mais madura formas diferentes de olhar para as mesmas coisas, redefinimos prioridades e tomamos decisões. Muitas decisões, nem sempre sabendo se elas serão as melhores. Atingimos um desgaste e vamos assistindo a alguma deterioração mental própria da idade.

Ao longo do crescimento pessoal, por causas diversas, algumas pessoas ficam mais expostas a determinadas situações e desenvolvem perturbações que provocam um eminente sofrimento mental e emocional. Dentro dessas inúmeras perturbações encontra-se a depressão.

Embora seja muito mais regular ouvirmos falar nela na etapa adulta, ela também existe na fase infantil e mais tarde no idoso. Apesar de não gostar particularmente da aplicação da palavra idoso, neste propósito, parece-me mais vantajoso usá-la, ainda que não me identifique propriamente com o que ela representa, em todo o caso, para simplificar vou utiliza-la aqui. Quando me referir ao adulto experiente que atingiu um grau de maturidade imenso e se encontra agora numa fase particular da sua vida, consideremos aqui o idoso, a pessoa que apresenta mais de 65 anos de idade cronológica.

Como mencionei anteriormente, a depressão causa um grande sofrimento mental e emocional em qualquer uma das etapas de vida. Em particular, no idoso ela não é exceção. Porém é em larga escala confundida com as características singulares desta fase e não propriamente diagnosticada como uma doença do foro psicológico que precisa de ser tratada, à semelhança de outras doenças físicas que são quase sempre “facilmente” reconhecidas.

No que toca o idoso, a depressão normalmente tem uma descoberta tardia, pelo fato de esta estar associada a uma consequência da doença e diminuição geral do potencial de funcionamento cognitivo. Infelizmente, nem sempre ela é corretamente valorizada. Sabemos hoje em dia que se não tiver o devido tratamento (como em qualquer etapa da vida) ela aumenta o risco de morbilidade e mortalidade.

A depressão no idoso é causada por um largo espetro de acontecimentos como os fatores genéticos, o luto, o abandono por parte de familiares e as doenças incapacitantes recorrentes nesta fase, como o alzheimer, o parkinson, problemas cardíacos, problemas de mobilidade, por exemplo.

É importante reforçar que apesar desses acontecimentos, por norma a depressão é mais manifesta quando existe uma combinação de alguns desses mesmos fatores, em particular, a perda da qualidade de vida com o isolamento social e o diagnóstico de doença clínica grave.

A ideia de que deixamos de trabalhar por aposentação, “os filhos estão criados, têm as suas vidas”, o luto por perda do companheiro, a falta de atividades de lazer e ocupação faz-nos certamente entrar numa espiral de desânimo, fazendo levantar a seguinte questão: o que faço eu aqui?

“O medo da progressão da doença física, da pena da dignidade e o medo de se transformar em sobrecarga aos familiares também são fenómenos psicológicos que acompanham o comprometimento da condição física.”

Os sintomas de depressão no idoso são acompanhados de outras queixas, em particular relacionadas com alterações de humor, alterações neurovegetativas, alterações cognitivas e sintomas psicóticos. O risco de suicídio também aumenta em idosos depressivos quando comparados com os não depressivos, é por isso importante manter uma relação de proximidade e acompanhamento.

Os Sintomas da Depressão no Idoso – Alterações Significativas

A) Sintomas do Estado do Humor:

• Deprimido/disfórico

• Irritabilidade

• Tristeza/ Desânimo

• Sentimento de abandono

• Sentimento de inutilidade

• Diminuição da autoestima

• Retraimento social/solidão

• Perda de capacidade de sentir prazer e desinteresse

• Ideias autodepreciativas

• Ideias de morte

• Tentativas de suicídio

B) Sintomas neurovegetativos:

• Falta de apetite

• Emagrecimento

• Distúrbio do sono

• Perda de energia

• Lentificação psicomotora

• Inquietação psicomotora

• Hipocondria

• Dores inespecíficas

C) Sintomas cognitivos:

• Dificuldade de concentração

• Dificuldade de memória

• Lentificação do raciocínio

D) Sintomas psicóticos:

• Ideias paranoides

• Delírios de ruína (falência, desamparo, sem solução)

• Delírios de morte

• Alucinações mandativas de suicídio

Por vezes, observa-se um aumento da agressividade e agitação motora no idoso que é reflexo do mal-estar sentido, provocado pela sintomatologia anteriormente descrita. Por outro lado, o idoso com depressão tem tendência a baixar os cuidados na sua higiene, a fazer uma má alimentação e a dar um uso incorreto da prescrição médica, chegando mesmo a recusá-la. O recurso à mentira surge nesta fase, muitas vezes, como resposta à pressão sentida e à dificuldade em aceitar todas as orientações e recomendações dadas por terceiros.

Os estudos sobre a depressão no idoso identificaram que 50% destes evoluem num prazo de cinco anos para um cenário demencial.

“Muitas vezes, os sintomas depressivos são confundidos com a própria doença clínica geral ou como uma consequência “normal” do envelhecimento sendo pouco valorizados.”

A Importância do Tratamento

O tratamento da depressão tem como objetivo primordial garantir um estado geral satisfatório, onde se possa recuperar a qualidade de vida diminuindo assim, o sofrimento psíquico e o risco de suicídio. Por norma, o tratamento da depressão no idoso passa pelo recurso à psicofarmacologia e à psicoterapia breve (voltada para o presente e para o futuro, em média com uma duração de seis meses). Importa salientar que a terapia ocupacional, atividades de lazer e artísticas têm um importante papel para o bem-estar geral do idoso. Estas devem ser usadas como complementares a todo o tratamento delineado pelo especialista. É fundamental, existir um trabalho de proximidade entre a família, o médico e o psicólogo.

É preciso ter em especial atenção, pois se a depressão não tiver qualquer tipo de intervenção, ela vai colocar em risco a vida do idoso e aumentar a médio/longo prazo o seu sofrimento de forma verdadeiramente destrutiva.

Retirado e adaptado de Stella, F., Gobbi, S., Corazza, D. et al. (2002). Depressão no idoso: diagnóstico, tratamento e benefícios da atividade física. Brasil: UNESP; Okereke, O. I. et al. (2013). Depression in late-life: A focus on prevention. Focus XI, 22 – 31.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close