Sensação de formigueiro e dormência nos braços e pernas pode ser provocado pela Ansiedade

Sentir formigueiro ou dormência nos membros superiores e inferiores principalmente, nas pernas e mãos é mais comum do que se pensa. É verdade que podem ocorrer por exemplo, quando nos sentamos com postura errada numa cadeira e impossibilita a correta circulação sanguínea. Porém, quando não existe nenhuma causa médica que justifique este desconforto, podemos encontrar uma outra justificação – uma resposta do corpo à ansiedade.

Sim é verdade, sofrer de ansiedade pode causar sintomas menos comuns dos quais não estamos habituados a ouvir falar. O que sabemos é que as pessoas que sofrem de ansiedade e que começam a ter estas sensações corporais, ficam ainda mais agitadas e por isso, ainda mais ansiosas. Compreendendo que não conseguem encontrar nada que faça diminuir ou parar o formigueiro ou dormência, podem acabar por adotar outros comportamentos como esfregar ou coçar constantemente a zona, numa tentativa de controlar a situação. No entanto, a sensação de “falta de controlo” faz aumentar os níveis de ansiedade.

A sensação de formigueiro pode levar a pessoa a pensar que há algo de errado consigo, fazendo-a a sentir-se mal consigo mesmo. Algumas vezes, até evitando ou escondendo o assunto aos seus entes mais queridos e pessoas próximas de si. Normalmente, as pessoas acabam por recorrer ao médico para fazer um despiste e muito bem! Esta deve ser a primeira etapa a cumprir, isto é, descartar do ponto de vista médico que não há nada que possa estar a desencadear esta resposta do corpo.

Quando não é encontrada nenhuma causa médica, é recomendado que se recorra a terapia cognitivo-comportamental para diminuir e eliminar a ansiedade. Pode ainda ser recomendado, algum recurso farmacológico para controlo físico dependendo das situações. Mas, nem sempre a recomendação de terapia é bem aceite apesar dos bons resultados.

Numa fase inicial dos sintomas e antes mesmos de recorrer à terapia, pode adotar algumas estratégias para diminuir a sensação de desconforto. Falarei nelas mais à frente.

Quais as causas que explicam a sensação de formigueiro por ansiedade?

É importante ter presente que este tipo de manifestação pode ser diferente de pessoa para pessoa. Há quem diga que primeiro sente dormência e só mais tarde, com o agravar da situação sente o formigueiro. Este desconforto pode estar sempre presente de uma forma mais ligeira ou surgir intensamente, após uma resposta à ansiedade. Existem ainda relatos de pessoas que caraterizam a dormência como uma sensação de calor.

Uma das causas está na hiperventilação – a respiração ofegante. Quando nos sentimos ansiosos o nosso batimento cardíaco aumenta, assim como a nossa respiração (não é em vão que a primeira estratégia de combate à ansiedade passa por controlar a respiração!).

A hiperventilação é criada pelo desequilíbrio de ar. Quando estamos a respirar rápido demais não permitimos a entrada correta de oxigênio com a dose necessária de dióxido de carbono. É preciso existir uma simetria entre as partes. Também é por esta razão que quando estamos a hiperventilar, é recomendado respirar para dentro de um saco de papel ou colocar as mãos em concha na zona da cara cobrindo a zona da boca e do nariz. É por isso fundamental aprender a respirar corretamente praticando exercícios adequados.

A exposição diária a ambientes com níveis elevados de stresse pode igualmente provocar ansiedade, fazendo com que o corpo tenha necessidade de manifestar-se para abrandar o ritmo. Isto acontece porque o stresse tem uma influência direta no nosso sistema nervoso central. Quanto mais pensar no formigueiro ou na dormência, mais ela vai estar presente e maior sensação de falta de controlo vai sentir.

O que pode fazer para ajudar a controlar a ansiedade?

– Aprender a controlar e a respirar corretamente, praticando exercícios de respiração do diafragmática;

– Aprender a relaxar praticando mindfulness por exemplo;

– Afastar-se ou diminuir os contactos com ambientes stressores;

– Fazer caminhadas com regularidade, estimulando o fluxo e circulação sanguínea;

– Procurar ajuda profissional adequada e iniciar tratamento com terapia cognitivo-comportamental.

Não esquecer que outros sintomas físicos podem ser provocados pela ansiedade como tonturas, falta de ar, dores no peito, sensação de desmaio são tudo sinais de alerta.

#psicologia acompanhamento psicológico ansiedade bem-estar brain cliente coaching consulta psicológica covid-19 crescimento pessoal criança crianças cérebro depressão desenvolvimento humano desenvolvimento pessoal dicas emoções felicidade filme happiness leitura ler life life style livro mindset padrão de comportamento pais pensamentos personalidade psicologia psicoterapia psicólogo-paciente Psychology reflexões relação terapêutica relações serie tv sofrimento stress sugestão leitura terapia tomada de decisões vida

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close