Quais São as Principais Componentes do Bem-Estar Psicológico?

No nível mais básico, o bem-estar psicológico é bastante semelhante a outros termos que se referem a estados mentais positivos, como a felicidade ou a satisfação. Se disser que está feliz ou muito satisfeito com a sua vida, de certeza que o seu bem-estar psicológico é muito elevado.

O bem-estar psicológico tem duas metades importantes:

A primeira refere-se à extensão em que as pessoas experimentam emoções positivas e sentimentos de felicidade. Às vezes, esse aspeto do bem-estar psicológico é denominado bem-estar subjetivo. O bem-estar subjetivo é uma parte necessária do bem-estar psicológico geral, mas por si só não é suficiente.

Imagine estar num lugar que realmente goste, talvez sentado numa esplanada sob o sol, com a sua comida e bebida favorita e alguma boa companhia ou sozinho se preferir. Para a maioria das pessoas seria muito agradável, por uma ou duas semanas, mas imagine fazer isto não apenas por uma semana, mas para todo o sempre, repetido vezes e vezes sem conta. Existem muito poucas pessoas que achariam esta perspetiva agradável. Porém, o que este exemplo mostra é que, para realmente nos sentirmos bem, precisamos experimentar propósito e significado, além de emoções positivas.

Portanto, os dois ingredientes importantes para o bem-estar psicológico são os sentimentos subjetivos de felicidade provocados por algo que gostamos E o sentimento de que o que estamos a fazer com a nossa vida tem algum significado e propósito.

Tipos de Bem-estar Psicológico

A. O termo bem-estar “hedónico” é normalmente usado quando aludimos aos sentimentos subjetivos de felicidade. É composto por dois componentes, um afetivo (alto afeto positivo e baixo afeto negativo) e um componente cognitivo (satisfação com a vida). Propõe-se que uma pessoa experimenta felicidade quando o afeto positivo e a satisfação com a vida são elevados.

B. O termo menos conhecido, bem-estar “eudaimónico” é usado quando mencionamos o aspeto proposital do bem-estar psicológico. A psicóloga Carol Ryff desenvolveu um modelo muito claro que divide o bem-estar eudaimónico em seis tipos principais de bem-estar psicológico:

Bem-estar Eudaimónico

Autoaceitação: Pontuações altas refletem a atitude positiva do entrevistado sobre si mesmo. Um exemplo de declaração para este critério é “Gosto da maioria dos aspetos da minha personalidade”.

Domínio ambiental: Pontuações altas indicam que a pessoa faz uso eficaz das oportunidades e tem um senso de domínio no gerenciamento de fatores e atividades ambientais, incluindo o gerenciamento de assuntos cotidianos e a criação de situações para beneficiar as necessidades pessoais. Um exemplo de afirmação para este critério é “Em geral, sinto que estou no comando da situação em que vivo”.

Relações positivas com outros: Pontuações altas refletem o envolvimento da pessoa em relacionamentos significativos com outras pessoas, que incluem empatia recíproca, intimidade e afeto. Um exemplo de declaração para este critério é “As pessoas descrever-me-iam como uma pessoa generosa, disposta a compartilhar o meu tempo com os outros”.

Desenvolvimento pessoal: Pontuações altas indicam que a pessoa continua a desenvolver-se, é recetivo a novas experiências e reconhece a melhora no comportamento e em si mesmo ao longo do tempo. Um exemplo de declaração para este critério é “Acho que é importante ter novas experiências que desafiem a forma como penso sobre mim mesmo e o mundo”

Propósito de vida: As pontuações altas refletem a forte orientação para o objetivo da pessoa e a convicção de que a vida tem significado. Um exemplo de declaração para este critério é “Algumas pessoas vagam sem rumo pela vida, mas eu não sou uma delas”.

Autonomia: Pontuações altas indicam que a pessoa é independente e regula o seu comportamento independentemente de pressões sociais. Um exemplo de declaração para este critério é “Tenho confiança nas minhas opiniões, mesmo que sejam contrárias ao consenso geral”.

“Assim sendo, podemos dizer que diferentes correntes filosóficas identificaram duas formas de conseguir o bem-estar: uma é pela via hedônica, que consiste em desfrutar de tudo o que envolve um prazer imediato (uma refeição, uma paisagem, um encontro entre amigos, etc.); e a outra é a via eudaimônica. Essa última reside na satisfação a longo prazo, gerada como resultado das conquistas obtidas, de conseguir os frutos que surgem a partir do esforço, do trabalho e do planejamento. Conseguir sucesso na carreira, um diploma ou superar um mau hábito são alguns exemplos. Atualmente, além da ciência estabelecer essa divisão, a chamada psicologia positiva a especifica através de três vias: a da vida prazerosa; a da vida com compromisso; e a da vida com significado” (Revista El País, 2016).

Teorias de bem-estar psicológico

O que sabemos é que as experiências stressantes podem predispor as pessoas a perturbações de humor e ansiedade subsequentes, mas, por outro lado, a exposição a eventos extremamente traumáticos pode ajudar a construir resiliência e realmente proteger o bem-estar psicológico.

Embora o bem-estar psicológico básico possa ser bastante estável, os eventos e experiências do dia a dia também exercem um impacto. Por exemplo, mesmo a pessoa mais resiliente pode eventualmente ficar muito deprimida se as suas experiências diárias forem constantemente perturbadoras.

Há fortes evidências que demonstram que a exposição a causas stressantes relacionadas ao trabalho por longos períodos, terá um impacto negativo no bem-estar psicológico base, então, embora como mencionado acima, curtos períodos de adversidade podem ser úteis para construir resiliência, o stresse de longo prazo não é bom.

Por sua vez, esse nível mais baixo de bem-estar psicológico pode levar a doenças graves, incluindo doenças cardiovasculares, problemas com o controle de açúcar no sangue, como diabetes e disfunções do sistema imunológico.

O que Posso fazer Para Aumentar o Bem-estar?

Segundo o artigo da revista El País em 2016, chama a atenção para a existência de diversas atividades que promovem o bem-estar e a saúde emocional. A melhor parte, é que essas atividades podem ser treinadas, isto é, estimuladas no nosso cérebro através daquilo a que chamamos de neuroplasticidade, ou seja,  “a capacidade do cérebro de criar novas conexões neuronais e até mesmo gerar novos neurônios ligados à experiência, essas atividades também podem produzir mudanças estruturais e funcionais no cérebro”.

Atividades como o exercício físico estão comprovadas que reduzem a ansiedade, o stress e o risco de contrair doenças. Mas não só, têm também um papel importante nas funções cognitivas, melhorando a memória de longo prazo e o fluxo sanguíneo em estados de repouso, por exemplo.

Sabemos, no entanto, que ele produz bem-estar, mas a sua duração é de apenas num curto ou médio prazo, uma vez que o exercício procria endorfinas, os hormônios que produzem sensação de prazer e bem-estar, além de ter um efeito analgésico no organismo. O problema é, quando esse efeito acaba…

A meditação também surge com fortes evidências científicas que tem impacto positivo na nossa saúde emocional, pois meditar regulamente modifica positivamente a estrutura e o funcionamento do cérebro.

Ter em atenção as emoções positivas e potencializá-las no cotidiano é um recurso que também favorece o bem-estar.

Fomentar relações sociais positivas, afetivas e amorosas também são a favor da ciência que nos indica que este tipo de relações proporciona sensação de bem-estar. A presença de entes queridos como a família e os amigos modifica de forma positiva a resposta do nosso cérebro a situações de ameaça.

Mas não ficamos por aqui, a utilização da nossa força interior no sentido de guiá-la para a concretização da nossa satisfação é muito importante:

“As forças de caráter são traços positivos que todas as pessoas têm em maior ou menor medida. A bondade, a gratidão, o amor, a integridade, a curiosidade, a valentia e a generosidade são algumas delas” (El País, 2016).

Ser generoso e praticar a gratidão, também acompanham as investigações científicas que apontam para que este tipo de atitude fortalece a sensação de bem-estar emocional, através dos diferentes agentes químicos que se encontram ligados à felicidade, como a dopamina e a oxitocina. Praticar a gratidão é uma forma de nos sentirmos agradecidos pelo que temos, se podermos aliar isso e dar a outros, a nossa satisfação aumenta consideravelmente.

Por isso, cuide de si, cuide da sua saúde mental.

Retirado e adaptado de: Robertson, I. (2018). What is psychological wellbeing In http://www.robertsoncooper.com. 

Revista El País (2016). O que queremos dizer quando falamos de felicidade?

#psicologia acompanhamento psicológico ansiedade bem-estar brain cliente consulta psicológica covid-19 crescimento pessoal criança crianças cérebro depressão desenvolvimento humano desenvolvimento pessoal dicas emoções felicidade filme gestão mental happiness leitura ler life life style livro mindset padrão de comportamento pais pensamentos personalidade psicologia psicoterapia psicólogo-paciente reflexões relação terapêutica relações serie tv sofrimento stress sucesso sugestão leitura terapia tomada de decisões vida

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close