10 Coisas que Todos os Clientes Devem Discutir com os Seus Terapeutas (Para Ganharem Muito Mais com a Terapia)

A terapia não é propriamente deitar no sofá e falar sobre a sua mãe. Sendo essa uma opção, não é no entanto algo que ocorra unicamente numa sessão de psicoterapia. A terapia é sobretudo uma conversa dirigida por um especialista num ambiente seguro, confidencial e de suporte. Os psicólogos estão legalmente abrangidos pelo seu código deontológico e garantem, a segurança de todos as suas informações, partilhadas nas sessões.

No início, a terapia pode parecer um local com ambiente estranho, pois enquanto cliente vai falar sem dúvida alguma, muito mais do que o seu psicólogo. Esta é uma situação normal e uma componente importante no processo terapêutico.

Muito diferente das relações de amizade que estabelecemos, onde conhecemos muito sobre a vida do nosso amigo, no caso do seu psicólogo, ele pode nunca chegar a partilhar algo íntimo consigo. Mais uma vez, esta situação também é normal e faz parte do processo.

Outra parte integrante da terapia é a habilidade que enquanto cliente, tem no impacto e no desenvolvimento da sua própria terapia. Obviamente, todos os clientes ambicionam ter sessões de terapia muito produtivas e ganhos no menor espaço de tempo. Para ajudar na obtenção desse ganho, existem dez coisas que os clientes podem partilhar com os seus terapeutas que vão potencializar ainda mais as suas sessões, a saber:

1 – Os medos sobre a terapia não funcionam:

O melhor lugar para partilhar os medos sobre o processo terapêutico é partilhá-lo. No início, irá permitir o crescimento de uma relação terapêutica de maior transparência e proximidade, baseada na confiança. A qualidade da relação cliente-terapeuta será o principal motor de mudança que pode ter.

2 – O sentido e significado da identidade cultural:

Independentemente da raça, género, crença, orientação, princípio que tenha, deve ser partilhado com o seu psicólogo. Nem todos os terapeutas são excelentes a conseguir abordar o quanto a sua identidade tem impacto em si mesmo, mas enquanto cliente deve ser o primeiro a partilhá-lo, permitindo ao próprio terapeuta desde muito cedo, compreender outros aspetos da sua experiência pessoal.

3 – Se pensa que a sua terapia está a correr mal:

Se pensa que as coisas não estão a correr como esperava, simplesmente não desista da terapia, diga alguma coisa! Dê ao psicólogo feedback, dê espaço e sobretudo tempo para a discussão do tema nas próximas sessões.

4 – Se está a pensar desistir da terapia:

Mais uma vez, é importante conversar com o seu terapeuta. Tenha tempo para abordar ao detalhe qual a razão que o faz pensar dessa forma e ter vontade em romper com o percurso até então conquistado. Se for por incompatibilidade na relação, é importante procurar mudar de terapeuta e não simplesmente desistir da terapia.

Mas atenção! O pior que pode fazer a si mesmo, é um corte radical com o seu terapeuta. Normalmente a tendência é isso acontecer numa fase crítica do processo: ou quando a pessoa já se sente um pouco melhor, sente capaz de retomar novamente as rédeas da sua vida, ou quando alguma coisa está a tornar as sessões desconfortáveis (normalmente quando se chega ao cerne da questão). A vontade será sempre em fugir em vez de abordar o assunto com o seu psicólogo. Ao faze-lo, manter-se-á os sentimentos de insegurança e perda, podendo com isso acarretar uma experiência dolorosa e de incapacitação. Falar com o terapeuta em qualquer um dos casos antes da tomada de qualquer decisão é sempre a melhor opção a tomar.

5 – Se tem alguma coisa importante do seu passado que o seu terapeuta não sabe:

Se sente que algo que fez no seu passado, (e portanto, parte integrante da sua própria história do presente) o está a impossibilitar de trabalhar outras questões ou atingir outros resultados na terapia, deve falar com o seu psicólogo sobre esse tema. Ao abordá-lo irá deixar de sentir esse peso nos ombros e acredite, vai elevar os resultados do seu trabalho terapêutico.

Lembre-se que o psicólogo é um profissional que tem como objetivo para o seu trabalho os resultados do seu cliente. O psicólogo é por princípio uma pessoa neutra e isenta, não o julgará independentemente da situação que lhe relate e por mais contraproducente que a sua situação lhe possa parecer a si.

6 – Se se sente desconfortável:

Durante o processo terapêutico há momentos em que as partes se podem sentir desconfortáveis. Experimente falar com o seu terapeuta sobre a forma como ele o pode caraterizar a si e partilhe as suas expetativas, em vez de esperar que o psicólogo lhe “leia a mente”.

7 – Se o seu terapeuta lhe disser alguma coisa que não goste:

Lembre-se que o seu psicólogo, também é uma pessoa e como tal, é tão complexo e magnífico como você o é. Não tenha receio em perguntar mais e explorar outras ideias com o seu terapeuta e dizer-lhe que alguma coisa o magoou ou fê-lo sentir-se ofendido. Aproveite a oportunidade de estar em terapia para explorar e compreender algo que não é possível faze-lo com outras pessoas, pelo menos, não da mesma forma. Os resultados dessa partilha podem ser surpreendentes e ao mesmo tempo ter um poder “curativo”.

8 – Se quer saber os seus pontos fortes e o modo como vão trabalhar:

Enquanto cliente tem todo o direito em saber as informações que a si lhe dizem respeito. Tem o direito de perguntar ao seu terapeuta sobre a sua análise, por isso coloque todas as suas questões ao seu terapeuta.

Normalmente, o planeamento da intervenção ou do processo é negociado entre as partes. Por isso, irá sempre ter momentos em que possa colocar estas questões de uma forma mais natural, se é isso que o incomoda. Ainda assim, se quer mesmo saber, pergunte!

9 – Se consome drogas ou álcool antes das sessões:

É importante ser transparente com o seu terapeuta, especialmente sobre questões relacionadas com drogas ou álcool. Alguns terapeutas podem não aceitar recebê-lo nas sessões se teve consumos imediatamente antes destas ocorrerem. Como sabemos essas substâncias alteram significativamente os estados de consciência, sendo prejudicial para o trabalho terapêutico. Partilhe a sua experiência com o seu terapeuta e em conjunto, traçarão um plano ajustado às suas necessidades, mas sobretudo informe-o.

10 – Que partes da terapia têm sido uma mais-valia para o seu crescimento:

Feedback positivo é sempre muito bem-vindo! Quando os psicólogos recebem da parte dos seus clientes um reconhecimento do que está a ter resultado neles, eles são capazes de potencializar esses ganhos, criando e explorando mais opções em sessões seguintes.

Relembro: o progresso do cliente é a prioridade do psicólogo. Tenha a certeza que partilha os aspetos importantes para si e da sua experiência com o seu terapeuta, para que os dois possam produzir sessões cheias de construções positivas e de ganhos autênticos para si. Quanto melhor for a sua comunicação, mais eficiente é o resultado das sessões, produzindo melhores resultados.

Quer saber como o podemos ajudar? Clique aqui.

Tradução e adaptação de 10 Things All Clients Should Discuss With Their Therapists (To Get More Out of Therapy)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close