Resiliência Psicológica dos Operacionais das Forças de Segurança

O facto de as forças de segurança, pelas atividades específicas que realizam, estarem mais expostas a um conjunto de riscos psicossociais como o stresse, a violência e o suicídio. Estes riscos podem representar consequências negativas graves para a saúde e o bem-estar das forças de segurança (e das suas famílias).

Essas consequências incluem frequentemente problemas de saúde psicológica como a depressão, maior probabilidade de sofrer doenças físicas, problemas familiares e divórcio ou mesmo suicídio (Parson, 2004).

Um dos principais riscos psicossociais que afeta os operacionais das forças de segurança é o stress ocupacional e a síndrome de burnout (Houdmont, 2013).

O stress ocupacional consiste num padrão de reações emocionais, cognitivas, comportamentais e fisiológicas aos aspetos adversos do conteúdo do trabalho, da organização e do ambiente de trabalho.

O stress ocupacional é experienciado quando as exigências do trabalho excedem a capacidade do trabalhador de as controlar e gerir.

O burnout constitui um tipo específico de stress ocupacional, que se carateriza pela exaustão emocional, a despersonalização e a diminuição do envolvimento pessoal no trabalho.

Algumas profissões são mais suscetíveis, como é o caso das forças policiais.

O burnout representa um risco não só para o próprio trabalhador mas também para os seus colegas uma vez que é “contagioso” – os profissionais transferem a tensão psicológica para os membros da equipa com que interagem (Westman & Bakker, 2008).

As intervenções para a redução e prevenção dos riscos psicossociais nas forças de segurança envolvem frequentemente programas psicoeducativos. Importa, igualmente promover a resiliência e a capacidade de gestão do stress das forças de segurança (McCraty & Atkinson, 2012).

Segundo Andersen et al. (2016) consideram que o componente principal da promoção da resiliência nas forças de segurança é a preparação mental.

A preparação mental refere-se à psicoeducação sobre os aspetos fisiológicos e psicológicos do stress e do trauma, à prática de técnicas de resiliência que permitam às forças de segurança lidar com incidentes críticos e incorporá-las enquanto resposta automática àquilo que acontece durante o serviço.

Texto retirado e adaptado de “Programa de Promoção de Resiliência Psicológica dos operacionais das Forças de Segurança, Lisboa, OPP, Março 2017.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close