O Comportamento dos Outros Interfere com o Seu?

O comportamento humano tem sido estudado por diversas décadas e existem muitas teorias para explicar um mesmo comportamento. Dessa análise, por vezes resultam observações mais objetivas do que outras. Quando nos encontramos em momento de stress e, principalmente se tivermos o azar de nos desentendermos com alguém, a probabilidade de passarmos a querer analisar todo o que é comportamento dessa pessoa tornasse viral.

É nos difícil manter um distanciamento saudável e acabamos contaminados pela vontade em ir, mais além, do que uma simples explicação banal. Sentimo-nos acusados, frustrados e por vezes com sentimentos de injustiça perante o outro. Passamos a ver o outro através da nossa ira e centrado naquilo que nos causou maior desconforto.

A mente e o comportamento humano são de fato fascinantes e podem muitas vezes levar-nos fatalmente ao erro.

O comportamento resulta de um conjunto diverso de interações com o mundo envolvente, compreendendo fatores intrínsecos e extrínsecos do ser humano. Entendemos como fatores intrínsecos o género, a personalidade, a genética, a idade, os traumas, as vivências e como fatores extrínsecos o papel social, a cultura, o contexto (entre outros).

Evidentemente, quando quase de forma obsessiva tentamos analisar o comportamento do outro e fazer uma rápida analise e conclusão estamos quase sempre (se não…sempre!) a deixar muitos fatores de fora. Não contamos com o contexto, com o momento, com o estado emocional e como aquela situação pode ser muito constrangedora para ambos. Limitamo-nos a fazer uma avaliação baseada em juízos de valor, que por norma associamos inconscientemente, às nossas experiências anteriores. É por isso que é muito fácil cairmos no erro de julgar os outros e sermos injustos com essa pessoa, pois olhamos para o todo, mas não para a soma das partes que o compõe (teoria da gestalt).

Por outras palavras, limitamo-nos a olhar para a situação tendo apenas acesso a uma parte da informação. Dois exemplos de gestalt, o que vê nesta imagem?

tree-silhouette-vector-12

Consegue ver o gorila e a leoa em primeiro lugar? ou viu a árvore primeiro? e a seguir…o que vê primeiro?

Gestalt-Theory-Ruben-cup

Vê primeiro o perfil de duas pessoas que estão frente a frente? Ou o que vê primeiro ao olhar para a imagem é uma coluna central, que poderá ser a parte de baixo de uma mesa?

Somos geneticamente seres sociais, disso ninguém tem dúvida. Muitas ideias são levantadas tento por base esta premissa, tendo-se tornado banal até certo ponto. Contudo, importa lembrar que também é por essa razão que não conseguimos ficar insensíveis aos outros à nossa volta. A forma como se comportam, independentemente de aceitarmos, nos identificarmos ou não com isso, mexe connosco para o bem e para o mal.

Desde muito pequenos somos levados a compreender o mundo pelos comportamentos dos pais. Eles são a nossa base de socialização e de aprendizagem comportamental da sociedade e do mundo. Quando falo em pais incluo obviamente outros familiares, principalmente os avôs e os tios, as partilhas em casa, as rotinas diárias, os conflitos e a partilha de afetos.

Numa segunda linha de montagem e já em período de entrada escolar, iniciamos as práticas de contato com os pares, ou seja com outras crianças de idade idêntica ou muito próxima, vamos coletando ao longo do tempo bons e maus exemplos. Aqui começam as aprendizagens sociais, a partilha de bens comuns com outros concorrentes.

Na idade da pré-adolescência/adolescência, começam os sinais de diferenciação e identificação mais profunda. Começam a surgir os grupos de pares, os betinhos, os certinhos, os fitness, os nerds e a lista continua… Começamos a questionar o mundo e a vê-lo com outro filtro, desafiamos a verdade e a lógica. As nossas ideias mudam à velocidade da luz, pois somos bombardeados com pareceres distintos e em certa parte, convém agradar a gregos e a troianos para não ficarmos pelo caminho.

Por quase último, na era do adulto, aligeiramos a nossa tendência em aceitar o outro. Por sermos adultos consideramos que sabemos muitas coisas, o que nos leva a crer que temos uma bagagem suficiente (e experiência de terreno…mesmo que nunca, na verdade a tenhamos tido em concreto…mas lê-mos algo sobre isso algures e sentimos que sabemos muito mais sobre esse tema do que outras pessoas) para dar a nossa opinião (e avaliar!) todos os temas dos adultos.

Sentimo-nos confrontados quando alguém tem um ponto de vista diferente o que nos leva a crer que aquela pessoa “não pode de todo estar bem!”. Baseamo-nos em regra pela experiência pessoal, sem termos em linha de conta o filtro do outro, os tais fatores intrínsecos e extrínsecos e podemos até cometer erros terríveis, mas sempre prevalecerá a nossa opinião sincera.

Com a experiência, vem também a idade (e não o inverso).

Passamos a utilizar o tempo a nosso favor, somos mais sensatos a analisar o mundo e nem sempre expressamos um parecer concreto sobre algo. Não quero eu dizer com isto que sejamos sempre nesta fase justos, mas a experiência diz-nos que o melhor por vezes é deixar o tempo andar. O recurso ao passado longínquo é muitas vezes no presente, um recurso válido, mas mais uma vez baseamo-nos na nossa experiência pessoal para avaliar a situação.

Relembro:

Cada experiência de vida é única. Mesmo no caso de gémeos educados sobre os mesmos princípios, desenvolvem-se ligando-se ao mundo de forma diferente.

O que é diferente chama-nos à atenção e pode provocar (consoante a nossa experiência anterior) identificação ou afastamento.

 O que é repetitivo, torna-se banal e pode deixar de fazer sentido a longo prazo.

O que provoca prazer, mantém-se vivo no tempo. O que provoca angústia, queremos esquecer.

“Por isso, mudamos tanto com as pessoas que podem estar ao nosso redor”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close